Cracolândia do centro de SP diminui, mas vive conflitos diários

Tensão entre guarda, PM e usuários de drogas ocorrem durante limpeza de ruas

Thiago Amâncio - Folha de S. Paulo 

"A gente percebe pelos pombos", diz uma mulher em frente à estação de trem Júlio Prestes, no centro de São Paulo. "Você olha esse tanto de pombo no chão, sabe que está tranquilo. Se eles começam a voar sem parar, pode saber que vai ter confusão."

É assim que uma enfermeira que atende usuários de droga na cracolândia diz saber quando vai estourar o próximo conflito na região -onde o fluxo de dependentes é menor do que há um ano, mas com tensão diária.

Área de venda e uso livre de drogas no centro paulistano, a cracolândia voltou ao foco policial em 21 de maio do ano passado, data de grande operação do governo Geraldo Alckmin (PSDB) destinada a combater o tráfico de drogas na região. À época, o prefeito João Doria (PSDB) chegou a dizer que aquela cracolândia havia acabado.

Aquela operação policial prendeu traficantes e desobstruiu vias tomadas por uma facção criminosa. Os usuários se pulverizaram pela cidade, o tamanho da cracolândia caiu, mas parte continuou na alameda Cleveland.

Desde novembro, moradores e trabalhadores da região dizem que há um clima diário de tensão, com recorrentes lançamentos de bombas pela polícia e ataques com pedras e tijolos pelos viciados.

Usuários e agentes de saúde dizem ter uma espécie de "operação sufoco", para cansar usuários e fazê-los sair de lá, o que a prefeitura nega.

Segundo o governo, medição a partir de fotos aéreas em julho apontava 414 usuários de drogas na região, contra 1.861 entre abril e maio (antes da operação policial), e 709 um ano antes. A percepção de moradores é de que a concentração em um só ponto diminuiu, mas que os usuários de droga se espalharam pelo centro e para outros bairros.

JATO

"Pode ser de manhã, de tarde, de noite. Não dá para saber. Todo dia é uma novela diferente", diz uma enfermeira que prefere não se identificar -os funcionários da gestão municipal são orientados a não dar entrevista.

Os confrontos costumam acontecer durante a limpeza das ruas, com jato d'água, instrumento usado pela prefeitura para impedir que traficantes montem barracas e outras estruturas fixas no local. As limpezas ocorrem, em geral, de manhã e de tarde.

Os dois lados se acusam e afirmam que só reagem a agressões iniciadas antes.

Segundo a prefeitura, "a guarda só atua, usando armamento não letal, em proteção aos seus agentes e outros trabalhadores, quando estes são atacados pelos usuários".

Já a PM afirma que "em diversas ocasiões houve agressões com pedradas, tijolos e diversos tipos de material que os usuários e traficantes arremessaram contra os agentes, que, para se defenderem ou para protegerem transeuntes, tiveram que intervir seguindo os protocolos nacionais e internacionais de controle de distúrbios civis".

É o mesmo argumento usado por assistentes sociais. "Quando você ataca alguém, a pessoa revida. É que nem cachorro. Se você deixar amarrado e maltratar, ele vai ser violento mesmo", diz um agente de saúde que trabalha com os usuários na região.

DESPROPORCIONAL

Na opinião do defensor público Carlos Weis, a atuação das forças de segurança na região tem sido desproporcional. "A gente considera abusivo o uso desse tipo de instrumento de bombas ou balas de borracha, extremamente desproporcional, inclusive em face da fragilidade das pessoas que estão ali."

Na última terça (23), um frade da Igreja Católica foi detido após chamar de "truculenta" a ação da guarda. Segundo a corporação, ele tentou impedir a prisão de dois usuários de droga e, por isso, também foi levado à delegacia.

Segundo a Secretaria Estadual da Segurança Pública, de 31 de maio até as últimas semanas, a PM "esteve presente em mais de 400 ações de segurança à zeladoria do município ao abordar pessoas que estão em atitude suspeita no entorno da concentração do fluxo de usuários, visando diminuir o tráfico e retirar as drogas do local".

Até 31 de dezembro, segundo o governo, 971 pessoas foram presas ou apreendidas por envolvimento com o tráfico, e 588 quilos de drogas foram apreendidos, além de armas de fogo, facas, balanças e R$ 331 mil em dinheiro.

A prefeitura diz que, nessas limpezas, por dia, recolhe 4,8 toneladas de resíduos. Nesses momentos, é comum que cobertores e outros objetos também sejam recolhidos.

As ações têm ficado recorrentes à medida que se aproxima a entrega de prédios da parceria público privada da habitação. No complexo Júlio Prestes, são 1.202 apartamentos que serão entregues a partir de abril. Em todo o centro, serão 3.683 apartamentos, sendo 2.260 de habitações de interesse social e 1.423 unidades voltadas para o mercado popular.

Além disso, começou também a reforma da praça Júlio Prestes, que deve durar 150 dias. Com as obras, a praça foi cercada, e os usuários de drogas perderam um local que usavam como refúgio quando ocorriam as ações policiais.

AGENTES DE SAÚDE

Os conflitos no centro acabaram dificultando o trabalho dos agentes de saúde na região, segundo os funcionários da prefeitura e de ONGs que trabalham na área.
"A polícia acha que a gente é aliado dos usuários, e os usuários, principalmente nesses períodos de confusão, que ninguém sabe o que vai acontecer, não confiam, acham que a gente está do lado da polícia, ficam arredios", diz uma enfermeira.

"Quando a polícia taca bomba, a ordem é recolher a equipe. A gente corre para onde der, para o Atende [tenda de atendimento], para dentro da estação [Júlio Prestes]."

Na opinião de Ricardo Carvalho, que trabalha em um dos hotéis remanescentes do Braços Abertos (programa da gestão anterior que vem sendo descontinuado pela gestão Doria), "o clima é de terror". "A cracolândia não é um território, mas um grupo de pessoas que fazem uso e abuso de drogas. Não vai sumir de uma hora para outra", diz.

A tensão prejudica também o comércio regular. Paloma Costa, 22, que trabalha há um ano e meio em um bar de frente à praça Júlio Prestes, diz que tem que baixar as portas e ficar no prejuízo quando a polícia ou a guarda lançam bombas. "Só faz tirar de lá para vir para cá, jogar de um lado para o outro."

"Baixou bastante o movimento. Mas aqui é muito perigoso, não sei o que fazer. À noite, tem que chegar em casa no máximo às 21h. Sair depois disso não dá", afirma ela, que também vive na região há quatro anos.

Dono de uma banca na região da praça, Luciano Costa, 44, concorda. "Não faz efeito [atacar bomba]. Difícil saber o que fazer com isso."

Entre os moradores, as opiniões divergem. Iézio Silva, da Associação dos Moradores e Comerciantes dos Campos Elíseos, considera positiva a atuação da polícia na região. "Não resolveu o problema, é claro, mas considero positivo. Antes havia uma fortaleza para quem praticava crimes, hoje não há mais. Descentralizou os usuários, sim, mas por isso o controle fica mais fácil", afirma.

Já para Fábio Fortes, do Conselho Comunitário de Segurança de Santa Cecília, "a região virou uma guerra. A grande realidade de quem mora, quem trabalha e quem frequenta aquela região, a situação de pânico é tamanha que as pessoas nem registram mais essa violência", afirma.

MINICRACOLÂNDIAS

O clima de "operação sufoco", contudo, é bem diferente do de "minicracolândias" na cidade, como na av. Roberto Marinho (zona sul), na Vila Leopoldina (zona oeste) e na Radial Leste, que o prefeito também prometeu acabar.

Nos quatro meses que Wesley Oliveira, 23, trabalha como vigilante de um mercado na Vila Leopoldina, zona oeste de SP, afirma que só viu uma ação da prefeitura.

"Passou um caminhão com a GCM. Os moradores viram, desarmaram tudo, jogaram em um gramado. O pessoal passou e limpou. Horas depois, já tinham armado as barracas todas", conta.

A Folha contou cerca de 20 barracas ao longo de poucos quarteirões na av. Dr. Gastão Vidigal. "À noite, fica tomado", afirma o vigilante. "Vejo muito carro de bacana
parar aqui, buzinar, eles correm, entregam alguma coisa, e o carro sai."

A prefeitura diz que "ações em outras regiões têm ocorrido com frequência", onde "realiza atividades intersetoriais integradas, com o objetivo de reprimir o tráfico de drogas e oferecer tratamento àqueles que desejarem." O Atende IV, na Roberto Marinho, tem média de 346 atendimentos por dia, afirma a gestão.

Matéria publicada na Folha de S. Paulo.