Doria quer 'sopão' a moradores de rua somente em espaços fechados de SP

GIBA BERGAMIN JR. - FOLHA DE S. PAULO

A gestão João Doria (PSDB) quer limitar a distribuição de alimentos a céu aberto para moradores de rua de São Paulo. Para isso, iniciou conversas com entidades assistenciais para pedir que essas doações diárias (sopa, marmita e lanches, por exemplo) ocorram em áreas fechadas, como em tendas e outros centros de acolhida da cidade.

A iniciativa, numa discussão que envolve secretarias e prefeituras regionais, tem como objetivo atrair o sem-teto a albergues, por exemplo, e dessa forma desestimulá-lo a permanecer na rua. Ao se alimentar ali, ele poderia permanecer para dormir, tomar um banho e usar o banheiro, o que também reduziria a sujeira que resulta das doações.

A gestão tucana também quer um maior controle da qualidade do que é doado. Para isso, busca elaborar regras que possam deixar mais clara a origem das refeições oferecidas, o popular "sopão".

Para evitar críticas, a administração estuda como isso será implementado. A primeira opção é pela via do convencimento de igrejas e grupos responsáveis pelas refeições.

Em 2012, na gestão Gilberto Kassab (PSD), uma portaria que restringia a distribuição do "sopão" gerou protestos.

Diante da acusação de que a decisão era higienista, a prefeitura voltou atrás e cancelou a prática dias depois.

A discussão agora ocorre no momento em que a prefeitura estima em cerca de 20 mil o número de pessoas nas ruas.

Os cálculos são do próprio secretário municipal de Assistência Social, Filipe Sabará, embora o último censo -elaborado em 2015, na gestão Fernando Haddad (PT)- tenha apontado para algo em torno de 15 mil sem-teto.

Sabará, que aposta em um programa de criação de empregos com a ajuda da iniciativa privada para reduzir a população de rua, tem dito que o agravamento da crise econômica colocou mais pessoas nas ruas da cidade.

Todos os dias, grupos organizados ligados a instituições religiosas, além de doadores anônimos, saem às ruas para entregar alimentos e roupas.

FILAS

Na região central da cidade, essas doações ocorrem com frequência na praça da Sé e no Pateo do Collegio. A Folha acompanhou a rotina de distribuição e de limpeza e se deparou com filas enormes tanto de manhã como à noite em busca de alimentos.

Doadores ouvidos pela reportagem dizem acreditar que a mudança estudada pela prefeitura pode ser apropriada, mas isso dependerá da adesão dos próprios sem-teto, acostumados a receber os alimentos diretamente nas ruas.

"Se houvesse um lugar para onde as pessoas aceitassem ir, a gente faria toda a distribuição ali, sim. Mas quem recebe precisa querer também", disse Edgar Werblowsky, 62, que anualmente distribui cachorro-quente, bebidas e roupas usadas, ao lado de amigos que trabalham com ele numa empresa do ramo de turismo.

Para o padre Júlio Lancellotti, da Pastoral do Povo de Rua, porém, a mudança pensada por Doria não deve se concretizar, porque não há lugares suficientes para a entrega em áreas fechadas.

"Nós temos cerca de 11 mil vagas em albergues para mais de 20 mil moradores de rua. Não há como colocar tantas pessoas em espaços fechados. O morador de rua quer escolher onde ele vai comer."

Há duas semanas, o padre denunciou que guardas-civis estavam proibindo a distribuição de sopa na região da cracolândia do centro da cidade. No dia seguinte, o padre disse ter recebido uma ligação de Doria. "Ele me disse que revogaria qualquer decreto que proibisse a doação de alimentos", disse o padre.

Matéria publicada na Folha de S. Paulo.