Marginais têm aumento de acidentes pelo 4º mês seguido após novos limite

FOLHA DE S. PAULO

As marginais Tietê e Pinheiros registraram aumento no número de acidentes com vítimas pelo quarto mês seguido após a gestão João Doria (PSDB) elevar as velocidades máximas nas duas vias.

Segundo dados do batalhão de trânsito da Polícia Militar, as marginais tiveram 144 ocorrências com vítimas em maio deste ano, contra 115 no ano passado –uma alta de 25%. O crescimento é ainda maior quando se consideram os quatro meses seguintes à mudança nos limites, que entrou em vigor no dia 25 de janeiro.

Entre fevereiro e maio, os acidentes com vítimas aumentaram 38% –de 392 em 2016 para 540 neste ano, de acordo com dados da PM. O número de mortes também seguiu tendência de alta. Foram 11 nos cinco primeiros meses de 2017 e 8 no mesmo período do ano passado.

Motociclistas são as principais vítimas. Eles estavam envolvidos em 78,5% das ocorrências deste ano (de janeiro a maio), um leve aumento de proporção em relação ao ano passado, quando essa parcela foi de 74,6%.

Em maio, os motociclistas foram proibidos pela gestão Doria de circular nas pistas centrais da Tietê das 22h às 5h. Essa é uma das apostas da administração tucana para tentar conter a alta de acidentes do tipo nas marginais.

CAMPANHA

No início do ano, os limites de velocidade nas marginais Tietê e Pinheiros foram elevados para 90 km/h na pista expressa, 70 km/h na central e 60 km/h na local. A mudança foi uma promessa de campanha de Doria nas eleições de 2016. O tucano tem buscado desvincular os acidentes nas marginais das mudanças nos limites.

Como revelou a Folha nesta semana, Doria teve a carteira de habilitação suspensa por acumular mais de 20 pontos após uma série de infrações, a maioria delas por excesso de velocidade. Ele afirmou que fará o curso obrigatório para poder dirigir novamente.

Veículos utilizados pelo tucano também já receberam ao menos três multas por velocidade excessiva nas marginais Tietê e Pinheiros –antes da mudança dos limites. Em relação à alta de acidentes nas vias, a prefeitura tem dito que as mortes registradas não sugerem a velocidade como causa do acidente.

Diz ainda que a PM usa uma metodologia diferente da CET (Companhia de Engenharia de Tráfego) e leva em consideração ainda acidentes nas alças de acesso e pontes, locais onde não houve readequação de velocidade. 

Matérias publicadas na Folha de S. Paulo.

Leia também: Balanço de Doria das marginais aponta 1/3 dos feridos computados pela PM