Motociclista morre e eleva para 12 o total de óbitos nas marginais neste ano

Folha de S. Paulo

Mais um motociclista morreu no domingo (9) após atingir um poste na marginal Tietê, na zona leste de São Paulo. Com isso, sobe para 12 o total de óbitos registrados nas marginais Tietê e Pinheiros desde o início do ano.

O acidente aconteceu por volta das 8h, próximo à ponte Miguel Arraes (antiga ponte Aricanduva). Segundo a CET (Companhia de Engenharia de Tráfego), o motociclista na pista local, sentido Castello Branco.

As causas da batida ainda serão apuradas, afirmou a companhia.

Essa é a 11ª morte de motociclista nas marginais desde que os limites de velocidade foram alterados na gestão do prefeito João Doria (PSDB). O 12ª óbito registrado nas duas vias no período foi em decorrência de um atropelamento.

A CET diz que a marginal Tietê registrou queda de 6,3% no número de acidentes com vítimas; diminuição de 3,3% na quantidade de vítimas feridas; e redução de 16,7% no total de mortes, nos quatro primeiros meses do ano em comparação com o mesmo período de 2016.

Já a marginal Pinheiros teve, no mesmo período, queda de 39,6% de acidentes com vítimas, redução de 34% na quantidade de pessoas feridas; e a quantidade de vítimas fatais se manteve estável.

Relatório obtido pela Folha, no entanto, levanta uma série de contradições com outros balanços oficiais da prefeitura e dá início a uma espécie de "guerra" de números com órgãos do governo do Estado, que apontam uma tendência contrária, como no caso da Polícia Militar.

De fevereiro a abril deste ano, segundo a PM, foram 396 acidentes com vítimas nas marginais, enquanto para a prefeitura, foram 113 acidentes em geral (graves ou não) nesse mesmo intervalo. Para a prefeitura, a discrepância ocorre por haver neste ano maior presença de agentes da CET, do Samu e da PM nas marginais. 

Matéria publicada na Folha de S. Paulo.