Prefeitura de SP reduz exigências para a licitação de ônibus

Futuras concessionárias não serão mais obrigadas a fazer gastos com ‘bens reversíveis’, como definia a legislação de 2001

Bruno Ribeiro, O Estado de S.Paulo

Com a previsão de abertura no dia 21 da consulta pública sobre as regras da nova licitação dos ônibus da cidade de São Paulo, a gestão João Doria (PSDB) enviou nesta terça-feira, 12, à Câmara Municipal um projeto de lei que altera a legislação de 2001 sobre a concessão do sistema de transporte e libera os empresários de ônibus de realizar investimentos públicos na área. 

+++ Gestão Doria estuda como limitar reajuste na tarifa de ônibus 

As futuras empresas não serão mais obrigadas a fazer gastos com “bens reversíveis” - que, após o fim do prazo de concessão, passam a ser de propriedade da Prefeitura. A disputa a ser lançada deverá alterar as quase 1,5 mil linhas de coletivos da cidade.

+++ Doria vai de ônibus de casa à Prefeitura e reclama da falta de ar-condicionado  

Segundo o Estado apurou, a ideia do Executivo é retirar do novo edital a obrigação que empresas de ônibus construam um Centro de Controle Operacional (CCO). Essa sala estava prevista na licitação lançada na gestão Fernando Haddad (PT), mas não prosperou após questionamentos feitos pelo Tribunal de Contas do Município (TCM). Agora, os investimentos que os empresários fizerem serão na compra de ônibus e outras estruturas que serão de propriedade deles ao término dos contratos.

+++ Doria tira R$ 148 mi de obras para cobrir déficit dos ônibus 

Outra mudança solicitada pela Prefeitura à Câmara é que o prazo de concessão seja determinado por lei. Doria já sinalizou que quer uma licitação com prazo máximo de 15 anos, embora seus aliados, como o presidente da Câmara, Milton Leite (DEM), ligado a empresas de transporte, venham solicitando prazo de até 20 anos.

Líder do governo na Câmara, o vereador Aurélio Nomura (PSDB) afirmou que tanto esse projeto quanto o texto de autoria de Milton Leite e do ex-secretário do Verde, Gilberto Natalini (PV), que revê os prazos para implementação de uma frota pública livre de combustíveis fósseis, deverão ser aprovados antes de a licitação ser lançada. O texto, que deu entrada na Câmara no dia 11, havia sido pautado para discussão na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ), mas não foi votado. O governo o colocou na pauta das votações do dia em Plenário, mas parlamentares da base e da oposição decidiram avaliar melhor o texto.

Nesta quarta-feira, 13, a Secretaria Municipal de Mobilidade e Transportes divulgou comunicado, dizendo que o prazo para a consulta pública sobre a licitação começa a correr a partir do dia 21. O governo quer dar até 45 dias de prazo para consultas, para depois lançar a licitação.

Multas

O governo Doria também enviou à Câmara projeto de lei que permite o parcelamento de multas de trânsito vencidas - e tentou aprová-lo já nesta quarta. O texto prevê perdão de juros e parcelamento do débito em até 12 vezes.

Matéria publicada no jornal O Estado de S. Paulo.

NOTÍCIAS RELACIONADAS

Gestão Doria quer todos os ônibus com Wi-Fi e ar-condicionado até 2020 

Prefeitura corta horas de viagem do Passe Livre Estudantil

SP já gastou 94% do que previa para os ônibus

Para conceder terminais, Doria inclui construção e venda de áreas do entorno

Confira também a reportagem da TV Globo: Câmara aprova novo prazo para ônibus de SP deixarem de emitir poluente