Brasil

Em 7 anos, País terá 43 mil jovens assassinados

Levantamento estima tendência de mortes violentas de adolescentes entre 2015 e 2021; jovem negro tem 2,8 mais riscos de ser morto

Juliana Diógenes, O Estado de S. Paulo, e Carmen Pompeu, especial para o Estado

Reduzir tragédia do trânsito deveria ser projeto do Brasil, diz especialista

FABRÍCIO LOBEL - FOLHA DE S. PAULO

A redução das mortes no trânsito do Brasil –que teve mais de 38 mil casos em 2015– deve ser assunto prioritário de Estado, acima de partidos ou mandatos políticos.

"O Brasil tem problemas, ok. Mas poucos problemas custam 38 mil mortes ao ano. Creio que reduzir essa tragédia seja um projeto de país. Não um projeto de direita ou de esquerda", diz Pere Navarro, especialista espanhol em segurança de trânsito.

SP registra 1 feminicídio a cada 4 dias; 63% das vítimas morrem em casa

ANGELA PINHO E JÚLIA BARBON - FOLHA DE S. PAULO

O Estado de São Paulo registra um caso de feminicídio a cada quatro dias, mostram dados da Secretaria da Segurança Pública obtidos pela Folha por meio da Lei de Acesso à Informação.

Os números se referem aos boletins de ocorrência do primeiro semestre de 2017, quando foram notificadas 46 ocorrências, e mostram um retrato inédito da implementação da legislação no Estado.

Brasil registra 28 mil homicídios no 1º semestre

Com 155 mortes diárias, País pode retomar, e ultrapassar, patamar de 60 mil casos anuais; Estados vivem crise na segurança pública

Marco Antônio Carvalho, enviado especial a Recife, O Estado de S. Paulo

O Brasil já ultrapassou a marca dos 28 mil assassinatos cometidos neste ano. De acordo com dados fornecidos pelas secretarias estaduais de segurança pública, no 1.º semestre o País chegou a 28,2 mil homicídios dolosos, lesões corporais seguidas de morte e latrocínios (roubos seguidos de morte).

Mortes em acidentes de trânsito caem 11% em um ano no País

Número passou de 43.780 óbitos em 2014 para 38.651 no ano seguinte; Ministério da Saúde acredita que crise econômica, Lei Seca e municipalização da fiscalização tenham contribuído

Marco Antônio Carvalho, O Estado de S. Paulo

Professor fica menos em escola mais pobre

Estudo da Fundação Lemann aponta alta rotatividade de docentes e falta de alunos em unidades com nível socioeconômico mais baixo

Isabela Palhares e Luiz Fernando Toledo, O Estado de S. Paulo

Assassinato causa metade das mortes de jovens no País

'Atlas da Violência' revela retorno dos homicídios de pessoas de 15 a 29 anos após período de tendência de estagnação

Marco Antônio Carvalho, O Estado de S.Paulo

Trânsito no Brasil mata 47 mil por ano e deixa 400 mil com alguma sequela

MARIANA LAJOLO - COLABORAÇÃO PARA A FOLHA DE S. PAULO

O caminho era o mesmo todas as sextas-feiras. Guilherme Mariano da Silva já estava acostumado: saía à noite de Boituva, onde fazia faculdade, e dirigia por 121 km até São Paulo. O estudante costumava ser prudente ao volante, mas, aos 20 anos, não levava os riscos tão a sério. Tanto que, dez meses atrás, não se preocupou com o sono que o abatia antes de pegar a estrada. Só queria voltar logo para casa.

Pela 1ª vez na década, Brasil deixa de avançar em ranking de qualidade de vida

Gabriela Fujita*, do UOL 

Pela primeira vez desde 2010, o Brasil manteve, sem evolução, a posição 79 --entre 188 países-- no ranking internacional de desenvolvimento humano apresentado pela ONU (Organização das Nações Unidas). 

Divulgado nesta terça-feira (21). O país recebeu a mesma nota do ano anterior: 0,754 --quanto mais perto de 1, melhor é a avaliação.

Até 2014, o IDH (Índice de Desenvolvimento Humano) brasileiro vinha melhorando ano a ano: 0,724 em 2010; 0,730 em 2011; 0,734 em 2012; 0,747 em 2013; e 0,754 em 2014. O dado de 2015 mostra estagnação.