entrevista

Relator da ONU cita SP e declara que clima não é desculpa para falta d'água

Brasileiro no cargo desde 2004 aponta falta de planejamento e desigualdade

Natália Cancian e Fabrício Lobel - Folha de S. Paulo

Embora mudanças climáticas possam intensificar crises hídricas, dizer que foi pego de surpresa por elas não é uma desculpa aceitável, diz o relator especial da ONU para o direito humano à água e ao saneamento, o brasileiro Leo Heller, 62, no cargo desde 2014. 

São Paulo está obesa e tem bronquite crônica, diz médico da USP

O patologista Paulo Saldiva lança livro 'Vida Urbana e Saúde'

Cláudia Collucci -  Folha de S. Paulo

Se fosse um paciente, São Paulo seria obesa por crescer mais do que o esqueleto é capaz de suportar, teria bronquite crônica, resultado de anos de inalação de ar poluído, e insuficiência renal, por ser incapaz de excretar resíduos de forma adequada.

O diagnóstico é do médico Paulo Saldiva, 63, professor da Faculdade de Medicina da USP que acaba de lançar o livro "Vida Urbana e Saúde".

Estilo do prefeito muda, mas metas são as mesmas

O mais jovem político a assumir a gestão paulistana desde a redemocratização afirma não estar preocupado em ter uma marca, mas sim em cumprir os 53 itens do plano de metas 

Bruno Ribeiro e Fabio Leite, O Estado de S.Paulo

Desafio de Bruno Covas é equilibrar participação do setor privado com a da população

Em entrevista à Rádio CBN, o gestor de projetos da Rede Nossa São Paulo, Américo Sampaio, avalia a gestão do prefeito João Doria e comenta os desafios do vice-prefeito no novo cargo. 

Após cumprir um ano e três meses de mandato - do total de quatro anos para os quais foi eleito -, o prefeito João Doria está deixando a Prefeitura para disputar a eleição para governador do Estado de São Paulo.

O período em que esteve à frente da gestão municipal da capital paulista foi avaliado pelo gestor de projetos da Rede Nossa São Paulo, Américo Sampaio, em entrevista à Rádio CBN. 

Ao disputar governo de SP, Doria vai abandonar projetos da prefeitura pela metade

Em entrevista à Rádio CBN, o gestor de projetos da Rede Nossa São Paulo, Américo Sampaio, critica a decisão do prefeito    

"Todas as eleições é a mesma coisa. O prefeito é aleito e a primeira pergunta é: você vai terminar o seu mandato?” Este foi um dos comentários do gestor de projetos da Rede Nossa São Paulo, Américo Sampaio, em entrevista à Rádio CBN nesta terça-feira (13/3).

Uso de dados do Secovi-SP para mudanças na Lei de Zoneamento é preocupante

Em entrevista à Rádio CBN, o gestor de projetos da Rede Nossa São Paulo, Américo Sampaio, fala das preocupações de organizações da sociedade civil e cidadãos com a proposta da Prefeitura de mudar a Lei de Parcelamento, Uso e Ocupação do Solo, a chamada Lei de Zoneamento. 

Ele alerta que a sociedade deve ficar atenta a esse tema, pois a Prefeitura pretende, na mudança, dar um desconto à outorga onerosa (taxa que as construtoras pagam ao poder público para poder construir além do permitido).

Prefeitura é responsável por acompanhar gestão de terceirizadas durante execução do contrato

Caso de jovem que morreu eletrocutado no pré-carnaval de São Paulo trouxe à tona a necessidade de transparência nos processos de licitação e contratação, bem como da responsabilidade da administração pública pelo cumprimento dos contratos

Por Airton Goes, da Rede Nossa São Paulo

Em entrevista à Rádio CBN, o gestor de projetos da Rede Nossa São Paulo, Américo Sampaio, foi questionado sobre o caso do rapaz que morreu no domingo (4/2), durante o pré-carnaval da capital paulista.

Site 'Planeja Sampa' permite que a população monitore metas da gestão Doria

Em entrevista à Rádio CBN, o gestor de projetos da Rede Nossa São Paulo, Américo Sampaio, fala sobre a importância do Plano de Metas 

Por Airton Goes, da Rede Nossa São Paulo

O novo site Planeja Sampa é disponibilizado pela Prefeitura paulistana, e esse foi o tema da entrevista que o gestor de projetos da Rede Nossa São Paulo, Américo Sampaio, concedeu à Rádio CBN. 

CEUs só saem se chegar dinheiro de privatizações, diz secretário de Doria

PAULO SALDAÑA - FOLHA DE S. PAULO

Há pouco mais de um ano à frente da Secretaria Municipal de Educação de São Paulo, Alexandre Schneider prevê um 2018 ainda de dificuldades orçamentárias –menores que as de 2017, mas ainda consideráveis, diz ele.

A retomada de obras paralisadas de 14 CEUs (Centros de Educação Unificada), por exemplo, depende do sucesso de privatizações previstas pelo prefeito João Doria (PSDB). Mesmo ao ressaltar esses desafios, Schneider comemora avanços. Cita a elaboração do currículo municipal, o projeto de tecnologia e a expansão das creches.