gastos

Subsídios de Doria aos ônibus superam gastos com obras em R$ 1 bilhão

Prefeito repassou às empresas R$ 2,9 bi para cobrir gastos do transporte

Rogério Gentile - Folha de S. Paulo

Em seu primeiro ano de mandato, o prefeito de São Paulo, João Doria (PSDB), gastou mais recursos públicos com o subsídio à tarifa de ônibus do que com todas as obras municipais somadas.

O prefeito repassou R$ 2,9 bilhões para as empresas que fazem o transporte coletivo a fim de cobrir a diferença entre o que é arrecadado com as passagens e a remuneração prevista em contratos.

Alckmin derruba verba e gasta só 38% do previsto para combater enchentes

ARTUR RODRIGUES - FOLHA DE S. PAULO

O governo Geraldo Alckmin (PSDB) entrará no terceiro verão seguido com gastos muito abaixo do previsto para prevenir as enchentes no Estado de São Paulo.

Desde que iniciou seu novo mandato, em 2015, os valores despendidos com drenagem urbana somam só 38% do orçado inicialmente –R$ 860 milhões, de R$ 2,25 bilhões. 

Gastos com segurança pública caem 9,6% na União e sobem nos municípios

Investimentos dos Fundos Penitenciário e de Segurança representam apenas 5% do orçamento federal e tiveram recursos reduzidos pela metade nos últimos dez anos. Governo Temer prometeu verbas para o setor e elabora um plano nacional

Marco Antonio de Carvalho, O Estado de S. Paulo

Haddad proíbe novos gastos da Prefeitura até fim do ano

Medida exclui salários e despesas com custeio em geral; gestão afirma que medida visa a garantir equilíbrio fiscal.

A pouco mais de dois meses do fim de seu mandato, o prefeito Fernando Haddad (PT) proibiu os órgãos da Prefeitura de realizarem novos gastos até o fim do ano. A medida exclui apenas pagamentos de salários de funcionários e despesas com encargos gerais, como contas de luz, água e aluguel, e tem efeito retroativo ao dia 3 de outubro, logo após a eleição de João Doria (PSDB), no primeiro turno.

Gestão Alckmin tem 'gasto zero' em ação para morador em área de risco

Dos R$ 65 milhões previstos para reassentamento nos últimos cinco anos, nada foi gasto

ANDRÉ MONTEIRO E RODRIGO RUSSO - FOLHA DE S. PAULO

Dos R$ 65 milhões previstos para reassentamento de moradores de áreas de risco e favelas nos últimos cinco anos, nem um centavo foi gasto pela gestão do governador Geraldo Alckmin (PSDB).

Haddad manda cortar 20% dos gastos

Contratos acima de R$ 500 mil estão na mira - prefeito usou mesmo recurso em 2013; arrecadação deve alcançar R$ 45,2 bilhões.

Por Adriana Ferraz

Revisão da dívida de SP é congelada em corte de gastos do governo Dilma

Por Gustavo Patu

Após mais de uma década de pressões, uma saída para destravar os investimentos na maior metrópole brasileira foi aprovada pelo Congresso e pelo Planalto -no entanto, tão cedo não sairá do papel.

Às voltas com um pacote para tirar do vermelho as contas do Tesouro Nacional, o governo Dilma Rousseff (PT) já indicou que adiará por prazo indeterminado a revisão dos valores da dívida impagável da Prefeitura de São Paulo com a União.