IPTU

'Latifúndios' urbanos de São Paulo devem um novo hospital em IPTU

ARTUR RODRIGUES E FABRÍCIO LOBEL - FOLHA DE S. PAULO

Em meio à paisagem apinhada de prédios na maior cidade do Brasil, São Paulo ainda preserva grandes terrenos completamente desabitados. São latifúndios urbanos, muitos deles com dívidas milionárias em impostos.

Somados, os cem maiores terrenos desocupados equivalem a seis parques Ibirapuera e têm uma dívida de IPTU de cerca de R$ 180 milhões, segundo levantamento inédito realizado pela Folha.

Doria turbina caixa da prefeitura com ação reforçada na malha fina do IPTU

GIBA BERGAMIM JR. - FOLHA DE S. PAULO

Síndico de um condomínio na Vila Sônia, na zona sul, o administrador José Ronaldo Menezes, 51, levou um susto ao receber cinco carnês de IPTU de uma só vez em agosto passado. As novas cobranças, que vencem nos próximos dias e beiram os R$ 3.700, apareceram após ele ter quitado o tributo devido de 2017.

Postulante ao Planalto, Doria congela IPTU de SP no ano eleitoral de 2018

Mesmo com restrições orçamentárias e com a revisão de valores prevista pela legislação, a gestão João Doria (PSDB) decidiu manter a base de cobrança do IPTU congelada no ano eleitoral de 2018.

O tucano só aplicará a atualização anual do imposto pela inflação –em torno de 3%, segundo a prefeitura–, prevista automaticamente no Orçamento e que independe de aval específico da Câmara.

A decisão, que poupa Doria de forte desgaste enfrentado por prefeitos anteriores, foi anunciada nesta terça (12).

Doria desiste de corrigir valor venal de imóveis e anuncia alta de 3% no IPTU

Aumento é pelo porcentual da inflação acumulada e valerá para o ano que vem, após aprovação na Câmara Municipal.

Após estudar um reajuste médio de 43% na Planta Genérica de Valores (PGV) da cidade de São Paulo já para o ano que vem, a gestão João Doria (PSDB) desistiu de corrigir as tabelas e anunciou nesta terça-feira, 12, na Prefeitura, um aumento linear de 3% no Imposto Predial e Territorial Urbano (IPTU) para o ano que vem. O reajuste é a correção da inflação. 

Doria quer rever valor venal de imóveis em 43%

Gestão também quer IPTU com alíquota variável; novas tabelas põem o valor venal próximo de 70% do de mercado – hoje fica em torno de 50%.

A gestão do prefeito João Doria (PSDB) pretende aumentar em 43%, em média, o valor venal dos imóveis da cidade de São Paulo e vai enviar até outubro à Câmara Municipal projeto de lei criando novas alíquotas do Imposto Predial e Territorial Urbano (IPTU). Hoje, a cobrança do IPTU é fixada em 1% do valor venal. A tendência é que bairros nobres tenham maior reajuste do que as regiões periféricas.

Com desvalorização de imóveis, Doria deve manter IPTU sem alta em 2018

ARTUR RODRIGUES E GIBA BERGAMIM JR. - FOLHA DE S. PAULO

Após dois mandatos com aumentos de IPTU (imposto sobre imóveis) acima da inflação, a gestão João Doria (PSDB) deve ser beneficiada pela retração do mercado imobiliário e anunciar no final deste ano um reajuste do tributo que não deve ultrapassar a correção inflacionária.

A expectativa é da própria administração, que, por lei, deverá mandar para a Câmara Municipal até outubro a nova Planta Genérica de Valores (PGV), que é a base de cálculo para a cobrança do imposto, com os valores de reajustes previstos para 2018.

Isenção de IPTU a templos custa 22 creches por ano em São Paulo

ANDRÉ MONTEIRO E ARTUR RODRIGUES - FOLHA DE S. PAULO

A Prefeitura de São Paulo deixa de arrecadar com o IPTU de templos religiosos –todos beneficiários de imunidade tributária– cerca de R$ 110 milhões por ano. Esse montante, calculado pela Folha a partir do cadastro de imóveis, seria suficiente para construir um hospital ou 22 creches. A prefeitura recolhe cerca de R$ 6,5 bilhões com o imposto.

Haddad propõe desconto no IPTU para prédios sustentáveis

Prédios que usam energia solar, reutilizam água e possuem teto coberto por vegetação poderão ter desconto de até 12% no IPTU, imposto sobre imóveis, na cidade de São Paulo.

A informação foi confirmada nesta quarta-feira (14) pelo prefeito Fernando Haddad (PT), em visita a obras de conjuntos habitacionais no bairro Vila Santa Catarina, zona sul da capital paulista.

"Quem pensa a longo prazo vai estar fazendo um favor para o meio ambiente e vai ter um desconto no IPTU", disse o prefeito. "Nós vamos estimular as empresas a fazerem prédios verdes na cidade de São Paulo."