orçamento

Cultura, regularização fundiária e saúde dominam primeira Audiência Pública do Orçamento

DA REDAÇÃO - CÂMARA MUNICIPAL DE SÃO PAULO

Os investimentos para cultura, regularização fundiária e ampliação de equipamentos de saúde deveriam ser maiores no Orçamento da capital paulista para o próximo ano. É o que foi sugerido pela maioria dos participantes da primeira Audiência Pública realizada nesta quarta-feira (18/10), na Câmara Municipal de São Paulo, para discutir a Proposta da Lei Orçamentária 2018 (PL 686/2017) – que estima as receitas e fixa as despesas da capital.

Comissão de Finanças define relator da proposta orçamentária

CAROL CÂMARA, DA TV CÂMARA

A Comissão de Finanças da Câmara Municipal de São Paulo indicou, nesta quarta-feira (4/10), o vereador Ricardo Nunes (PMDB) como o novo relator da proposta do Orçamento de 2018, estimado em R$ 56 bilhões. O parlamentar já adiantou que terá muito trabalho pela frente.

“Pela análise prévia que fiz, percebi que o Orçamento está com muitas falhas. Esse é o meu ponto de vista, e parece que também é o ponto de vista dos outros membros do Colegiado”.

Nunes também falou sobre algumas das medidas que pretende levar à frente na relatoria do Projeto.

Câmara recebe propostas para Plano Plurianual e Orçamento 2018

DA REDAÇÃO - CÂMARA MUNICIPAL DE SÃO PAULO

O Executivo enviou no sábado (30/9) à Câmara Municipal de São Paulo a Proposta da Lei Orçamentária 2018. O Projeto de Lei (PL) estima a receita e fixa a despesa do Município para o ano que vem.

De acordo com o PL 686/2017, a receita prevista é de aproximadamente R$ 56,2 bilhões. 

Após ano de cortes, Doria aposta em privatizações para investir R$ 5,5 bi

Cotado como candidato à Presidência, prefeito prevê na proposta orçamentária de 2018 arrecadar R$1 bi com vendas e concessões

Bruno Ribeiro e Fabio Leite, O Estado de S.Paulo

Depois de um ano de cortes nas despesas da cidade, a gestão João Doria (PSDB) prevê investir na capital paulista R$ 5,5 bilhões em 2018. Cotado como candidato à Presidência ou ao governo do Estado, o prefeito pode deixar o cargo já no ano que vem para disputar a eleição. 

Orçamento das universidades federais do País cai R$ 3,4 bilhões em três anos

No período, houve ainda diminuição de mais da metade do recurso em investimentos (de R$ 3,7 bilhões em 2014 para R$ 1,4 bilhão em 2017) e de 16% no custeio (de R$ 7,02 bilhões para R$ 5,89 bilhões). Governo critica gestão anterior

Luiz Fernando Toledo, O Estado de S. Paulo

Doria prevê fundo para usar dinheiro das privatizações em novas obras

Por Rogério Gentille e Eduardo Scolese

O plano de desestatização do prefeito de São Paulo, João Doria (PSDB), prevê que o dinheiro arrecadado deverá obrigatoriamente ser utilizado em novas obras.

De acordo com o projeto, a ser enviado em março para a Câmara Municipal, os recursos obtidos com as concessões e privatizações não serão alocados no caixa comum da prefeitura para evitar que sejam utilizados no custeio da máquina –como salários, aquisição de bens de consumo e manutenção de equipamentos públicos.

Doria tira R$ 438 mi de obras para pagar salário de professores

Prefeito remaneja dinheiro que seria gasto em corredores de ônibus e moradias populares para cobrir aumento salarial de docentes dado pela gestão Haddad 

Bruno Ribeiro e Fabio Leite, O Estado de S. Paulo

O prefeito João Doria (PSDB) retirou R$ 438,8 milhões previstos em obras viárias e de habitação popular na capital paulista para pagar salário de professores da rede municipal de ensino.