Pacaembu

Conpresp libera demolição do tobogã e cobertura no Pacaembu

Órgão de preservação de bens tombados em São Paulo definiu diretrizes para alterações que poderão ser feitas por quem ganhar a concessão do estádio

Fabio Leite, O Estado de S. Paulo

O órgão responsável pela preservação de bens tombados na cidade de São Paulo decidiu liberar a demolição do tobogã – a arquibancada anexa – e a instalação de uma cobertura no novo Estádio do Pacaembu, que será concedido à iniciativa privada pela gestão João Doria (PSDB) por até 35 anos.  

Com aval para shows, Câmara de SP aprova concessão do Pacaembu

Projeto que prevê a concessão do estádio por até 35 anos recebeu 42 votos a favor e é o primeiro do plano de desestatização da gestão Doria a passar pelo Legislativo

Fabio Leite, O Estado de S. Paulo

Concessão do Pacaembu deve ser votada nesta semana e terá até 35 anos

GUILHERME SETO -  FOLHA DE S. PAULO

Em reunião pela manhã desta terça-feira (29) entre o prefeito João Doria (PSDB) (PSDB) e lideranças da Câmara dos Vereadores ficou definido que o Projeto de Lei 364/2017, que trata da concessão do estádio do Pacaembu, deverá passar por segunda votação nos próximos dias.

Havia a possibilidade de que o projeto fosse votado na Câmara ainda nesta terça (29), que não se concretizou. Dessa forma, a votação deve acontecer nesta quarta (30) ou no máximo na quinta-feira (31).

Doria diz que concessão levará Bilhete Único ao celular e combaterá fraudes

GUILHERME SETO - FOLHA DE S. PAULO

O prefeito João Doria (PSDB) e o governador Geraldo Alckmin (PSDB) lançaram nesta segunda-feira (28) o Procedimento de Manifestação de Interesse (PMI) para a concessão do Bilhete Único.

Com o PMI, um edital de chamamento público que será publicado nesta terça-feira (29) no "Diário Oficial", os interessados poderão enviar estudos para a prefeitura e para o Estado de São Paulo sobre projetos de investimento, contrapartidas e demais ideias para a concessão.

Pacaembu continuará sediando apenas eventos esportivos, diz Doria

Segundo prefeito, população terá acesso gratuito ao centro esportivo do estádio mesmo após concessão

Priscila Mengue e Fabio Leite, O Estado de S.Paulo

A Câmara Municipal de São Paulo aprovou na madrugada desta quinta-feira, 29, em primeira discussão, o projeto de lei de concessão do Estádio do Pacaembu. A última votação no Legislativo está prevista para agosto. O prefeito João Doria (PSDB) prometeu nesta quinta que o espaço será usado somente para práticas esportivas. 

Projeto de concessão do Pacaembu é aprovado em primeira votação

DA REDAÇÃO - CÂMARA MUNICIPAL DE SÃO PAULO

Os vereadores da Câmara Municipal aprovaram nesta quinta-feira (29/6), em primeira votação, o Projeto de Lei (PL) 364/2017, que autoriza a concessão do Estádio Municipal Paulo Machado de Carvalho, o Pacaembu.

Foram 37 votos a favor, dez contra e uma abstenção ao projeto encaminhado pelo Executivo no início do mês. O texto teve amplo debate durante a sessão. Mais cedo, ele avançou na CCJ (Comissão de Constituição e Justiça).

Doria inicia concessão do Pacaembu

Concessão vai englobar o estádio e o complexo esportivo ao lado do campo de futebol, de acesso gratuito à população

Por Estadão Conteúdo

A gestão João Doria (PSDB) enviou nesta quarta-feira (31) à Câmara Municipal de São Paulo o projeto de lei que prevê a concessão do Estádio do Pacaembu à iniciativa privada por pelo menos dez anos e lançou um edital para receber propostas do mercado para definir o que poderá ser feito na arena paulistana, que é tombada pelo patrimônio histórico.

Novo projeto de Haddad aposta em cinco eixos urbanos de SP

Ceagesp, Anhembi, Interlagos, Pacaembu e Cidade Tiradentes estão na mira.

Por Edison Veiga

Cinco projetos, com implicações urbanísticas abrangentes, estarão em andamento na cidade até o fim deste mês. Estão localizados uma em cada região de São Paulo – e envolvem “âncoras urbanas”, como diz o prefeito Fernando Haddad (PT). Eles são a aposta da Prefeitura para reorganizar o uso do espaço no Município e, segundo Haddad, consequência direta do Plano Diretor, aprovado na Câmara em 2014.