privatizações

Secretaria de privatizações perde força na gestão Covas

Considerada 'jóia da coroa' por Doria, pasta é reduzida a funções técnicas

Guilherme Seto - Folha de S. Paulo

 

O prefeito Bruno Covas (PSDB) enfraqueceu a Secretaria de Desestatização e Parcerias de sua gestão ao diluir seu poder executivo entre várias secretarias. A medida foi oficializada por meio de decreto publicado no Diário Oficial do município nesta quarta-feira (6). 

Início de Covas esvazia promessa social de Doria sobre privatizações em SP

Prefeito assinou lei que permite uso por vereadores dos recursos arrecadados

Guilherme Seto - Folha de S. Paulo.

Incluída de última hora em projeto de lei pelos vereadores da base aliada de Bruno Covas (PSDB) e sancionada às pressas pelo novo prefeito dias após o desabamento do edifício Wilton Paes de Almeida, uma mudança nas regras do fundo municipal de desestatização atingiu em cheio sua essência social. 

CEUs só saem se chegar dinheiro de privatizações, diz secretário de Doria

PAULO SALDAÑA - FOLHA DE S. PAULO

Há pouco mais de um ano à frente da Secretaria Municipal de Educação de São Paulo, Alexandre Schneider prevê um 2018 ainda de dificuldades orçamentárias –menores que as de 2017, mas ainda consideráveis, diz ele.

A retomada de obras paralisadas de 14 CEUs (Centros de Educação Unificada), por exemplo, depende do sucesso de privatizações previstas pelo prefeito João Doria (PSDB). Mesmo ao ressaltar esses desafios, Schneider comemora avanços. Cita a elaboração do currículo municipal, o projeto de tecnologia e a expansão das creches.

Tribunal de Contas e Câmara travam cronograma de privatizações de Doria

GUILHERME SETO - FOLHA DE S. PAULO

A atuação do Tribunal de Contas do Município de São Paulo e a resistência de vereadores da própria base governista se tornaram entraves ao cronograma de desestatizações do prefeito João Doria (PSDB) –e motivo de incômodo na gestão tucana, que tem nesses projetos uma de suas principais bandeiras políticas.

Após ano de cortes, Doria aposta em privatizações para investir R$ 5,5 bi

Cotado como candidato à Presidência, prefeito prevê na proposta orçamentária de 2018 arrecadar R$1 bi com vendas e concessões

Bruno Ribeiro e Fabio Leite, O Estado de S.Paulo

Depois de um ano de cortes nas despesas da cidade, a gestão João Doria (PSDB) prevê investir na capital paulista R$ 5,5 bilhões em 2018. Cotado como candidato à Presidência ou ao governo do Estado, o prefeito pode deixar o cargo já no ano que vem para disputar a eleição.