reprovação

Doria atinge a maior reprovação ao sair da Prefeitura de SP

Dois em cada três eleitores rejeitam a renúncia do tucano para disputar o governo, aponta Datafolha

Bruno Boghossian - Folha de S. Paulo

Ao deixar a Prefeitura de São Paulo, João Doria (PSDB) atingiu o nível mais alto de reprovação a sua gestão na capital paulista. Nova pesquisa do Datafolha indica que dois a cada três moradores da cidade rejeitam a saída do tucano do cargo para concorrer ao governo estadual.

Reprovação de Doria triplica em 1 ano, atinge 39% e já é igual à de Haddad

FOLHA DE S. PAULO

Há quase um ano no cargo e hoje considerado carta fora do baralho da próxima eleição presidencial, o prefeito João Doria (PSDB) viu sua reprovação crescer e atingir o mesmo nível de seu antecessor, o petista Fernando Haddad.

Segundo pesquisa Datafolha realizada de terça (28) a quinta (30) da semana passada, 39% dos moradores de São Paulo consideram a gestão tucana ruim ou péssima –exatamente o mesmo índice de desaprovação de Haddad ao final de seu primeiro ano no comando da cidade, em 2013.

Doria avalia rever critérios de Haddad para reprovação de estudantes em SP

PAULO SALDAÑA - FOLHA DE S. PAULO

Prefeito eleito de São Paulo, João Doria (PSDB) assumirá em janeiro a responsabilidade pela educação da maior rede municipal do país, com mais de 900 mil crianças e adolescentes matriculados, sendo 425 mil deles no ensino fundamental, e o restante em creches e pré-escolas.

Os níveis de qualidade tiveram avanços na gestão de Fernando Haddad (PT), mas ainda estão longe do ideal. O salto nos índices de reprovação é o que mais preocupa.

Gestão Haddad atinge maior reprovação

POR EDUARDO SCOLESE, EDITOR DE "COTIDIANO" - FOLHA DE S. PAULO

A um ano da disputa pela reeleição, o prefeito Fernando Haddad (PT) enfrenta a pior avaliação de sua gestão, iniciada em janeiro de 2013.

Segundo pesquisa Datafolha realizada na semana passada, 49% dos paulistanos reprovam a atual administração da cidade de São Paulo, considerando-a ruim ou péssima.

Outros 34% consideram a gestão regular e apenas 15% a avaliam como ótima ou boa.